Como as impressoras 3D podem transformar a educação • bhbit | Soluções para o Terceiro Setor

Como as impressoras 3D podem transformar a educação

Tecnologia

fev 04
impressoras 3d

Entenda o fenômeno das impressoras 3D

O primeiro protótipo do que hoje conhecemos como uma impressora 3D foi criado em meados da década de 80 pelo norte-americano Charles Hull. Nessa época, elas se limitavam a apenas duas funções: a criação de lâmpadas de resina e a elaboração de ferramentas de plástico. Desde então, a tecnologia empregada passou por um intenso processo de transformações até se tornar a ferramenta moderna dos dias de hoje, que apesar de pouco utilizada no Brasil, vêm conquistando espaço nas salas de aula, hospitais e escritórios mundo a fora.

Para fazer uso de uma impressora 3D, o usuário precisa apenas projetar o modelo do objeto desejado através de um aplicativo de ferramentas em três dimensões. Feito isso, o próximo passo é mandá-lo para a impressão e esperar por alguns minutos enquanto o objeto ganha forma, dimensão e profundidade. Além de ser um processo rápido e extremamente simples em comparação ao método tradicional, a construção de objetos pelas impressoras 3D são ecologicamente corretos pois não exigem o uso de materiais tóxicos, algo de extrema importância na atualidade, onde os debates acerca da proteção ao meio ambiente se tornaram cada vez mais frequentes.

As impressoras 3D e a revolução no método de ensino

Ainda que pouco difundidas no Brasil, as impressoras 3D já estão sendo utilizadas em escolas e universidades nos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Austrália e outros. A intensificação do uso dessa tecnologia no ambiente escolar originou um amplo estudo realizado pelo grupo norte-americano New Media Consortium acerca das mudanças que as impressoras 3D podem provocar no método de ensino convencional.

O resultado da pesquisa garante que nos próximos quatro anos, as salas de aula não serão mais espaços nos quais os professores ensinam aos alunos apenas o conhecimento teórico, pois com o advento dessa nova tecnologia, o ambiente acadêmico terá o potencial de se tornar muito mais interativo e dinâmico, permitindo aos alunos a opção de criar e desenvolver sua criatividade e imaginação.

Apesar dessa revolução no método de aprendizagem, a implementação de novas tecnologias não tem como objetivo substituir a figura do professor. Contudo, neste novo cenário, os professores deverão se adaptar as mudanças e pesquisar a fundo a melhor maneira de inserir esses avanços tecnológicos nas salas de aula. Desse modo, será possível uma otimização do tempo entre alunos e professores, no qual ambos trabalharão como parceiros na resolução de problemas, tornando o aprendizado mais simples e divertido para os alunos.

A introdução das impressoras 3D na rotina dos estudantes em escolas e universidades tem como objetivo alterar a dinâmica vigente, na qual os alunos apenas consomem o conteúdo ensinado pelos professores. Com essa tecnologia, os alunos também poderão criar objetos e ferramentas que auxiliem no processo de aprendizagem, o que irá estimular as habilidades de cada estudante e ajudá-los a compreender melhor sobre o que estão aprendendo.

impressora 3d

Da escola às universidades, entenda como as impressoras 3D já estão sendo utilizadas

Nas salas de aula de algumas escolas britânicas e norte-americanas, as impressoras 3D vem se consolidando como uma ferramenta importante na produção de objetos que tornem as aulas mais vivas e recreativas. Aqui temos alguns exemplos de como essa tecnologia já está sendo aplicada na aprendizagem de várias disciplinas.

1. Biologia
Uma das disciplinas mais ricas em pequenos detalhes, a Biologia pode se tornar muito mais interessante aos alunos através da impressão de amostras de orgãos do corpo humano ou réplicas de animais. Tudo feito minuciosamente, com uma riqueza inimaginável de detalhes, sendo estes fundamentais na compreensão do conteúdo.

2. Geografia
Com a impressão 3D, os alunos tem acesso a mapas completos que retratam a topografia, a demografia e a população de qualquer parte desejada do globo terrestre.

3. História
Nas aulas de história, qualquer artefato arcaico ou medieval pode ser impresso de modo a proporcionar aos alunos uma inspeção detalhada desses objetos, algo que só seria possível, à distância, em museus.

4. Química
A impressão de moléculas e cadeias moleculares auxiliam os alunos a compreender melhor o tema discutido em sala de aula.

5. Artes
Nessa disciplina, a criatividade dos alunos pode ser amplamente explorada através da criação de objetos e maquetes em três dimensões que enriqueçam o trabalho desenvolvidos por eles.

Por outro lado, nas universidades, o uso das impressoras 3D se caracteriza não apenas como uma tecnologia capaz de auxiliar no aprendizado prático, como também em uma ferramenta com potencial de salvar vidas em um futuro próximo. Através de uma parceria entre alunos de medicina da Universidade de Wollongong e o Hospital St Vincent em Melbourne, foram criadas as primeiras células de cartilagem por impressão 3D, um avanço importante para a medicina contemporânea.

Além do auxílio ao curso de medicina, as impressoras 3D também são capazes de revolucionar o aprendizado de estudantes de engenharia e arquitetura. Sua versatilidade em modelar materiais como metal, borracha, cera, plástico e gesso, possibilitam ao aluno a projeção em três dimensões de protótipos anteriormente feitos apenas no computador.

Já na Universidade de Miami, alunos de Antropologia e História Antiga tem utilizado a impressora 3D para recriar cenários do Egito Antigo, possibilitando novos debates e discussões enriquecedoras sobre o tema. Desse modo, não restam dúvidas de que o uso dessa tecnologia possibilitará a formação de profissionais mais experientes e qualificados.

Apesar de tantos benefícios, a impressora 3D pode parecer distante da nossa realidade devido aos preços elevados e pouco competitivos, contudo, especialistas garantem que esse cenário está se modificando ao longo dos anos e que o mercado dessa tecnologia vem sendo continuamente ampliado e, muito em breve, as impressoras 3D irão se popularizar e passar a fazer parte do cotidiano de professores e alunos brasileiros.