Apps mobile e engajamento social no Terceiro Setor • bhbit | Soluções para o Terceiro Setor

Apps mobile e engajamento social no Terceiro Setor

Tecnologia

mar 05
Aplicativos Mobile

Por que as entidades do terceiro setor devem apostar em aplicativos mobile

Os smartphones são presença constante na vida da população. Apenas no Brasil, existem mais de 38,8 milhões de aparelhos ativos, segundo uma pesquisa da empresa eMarketer. Esse número coloca o país em sexto lugar no ranking mundial dos maiores mercados de telefones inteligentes.

Outro dado importante revelado pelo estudo é que, em 2016, o planeta terá 2 bilhões de pessoas conectadas a smartphones. O número demonstra o potencial do segmento de aplicativos móveis e aponta a urgência para que as entidades do terceiro setor comecem a se adaptar à nova realidade tecnológica da sociedade.

white paper gestão financeira terceiro setor
INFORME

6 MOTIVOS PARA DIZER ADEUS AO GERENCIAMENTO FINANCEIRO COM PLANILHAS

Download gratuito deste Informe.

As plataformas móveis já estão sendo exploradas por algumas instituições sociais para captar doações. Essa nova modalidade de engajamento é funcional e eficiente porque tem a capacidade de aproximar as entidades sociais de pessoas de todos os cantos do país.

Para entrar nessa nova fase de mobilização social por meio da tecnologia de aplicativos mobile, as entidades do terceiro setor devem buscar conhecimento e orientação para desenvolver um bom marketing digital. Ao lançar um app, uma organização consegue trabalhar seu conteúdo institucional, distribuir informações relevantes e agregar valor à vida de seus seguidores, doadores e voluntários.

O público mobile pode ser atingido com aplicativos que possibilitem doações via PayPal, PagSeguro ou outras ferramentas de pagamento online. As entidades também podem apostar na geração de tráfego para sites e blogs na web e na consolidação da imagem da instituição por meio de aplicativos mobile.

O importante é destacar que a ferramenta tecnológica tem a função de facilitar a rotina daqueles que estão dispostos a realizar doações ou fazer boas ações online. Os aplicativos também podem oferecer aos usuários a opção de compartilhar a causa em suas redes sociais.

Para que a estratégia seja promissora, as entidades do terceiro setor devem planejar a distribuição de vídeos, notícias e fotos pelo app. Mais do que simplesmente atrair o download do usuário, os aplicativos mobile desenvolvidos para entidades sociais precisam ser úteis para o dia a dia.

Verdadeiras ferramentas de mídia

Os aplicativos mobile devem ser encarados como ferramentas de mídia, capazes de gerar links automáticos para a divulgação das entidades em outras redes sociais e canais de comunicação. Ao adotar o desenvolvimento de um aplicativo mobile, as instituições precisam ainda garantir que o app esteja disponível para vários tipos de smartphones e sistemas operacionais, como o Android, Windows Phone e iOS.

De uma forma geral, os aplicativos móveis podem ser trabalhados pelas entidades sociais para gerar receita, atrair novos seguidores e doadores e garantir funcionalidades e benefícios para os usuários. Isso significa que os aplicativos precisam ser úteis.

Contar com o apoio de empresas especializadas é uma boa alternativa para as organizações sem fins lucrativos que desejam atuar com aplicativos mobile, mas não têm mão de obra especializada ou suficiente domínio tecnológico para desenvolver seus próprios apps.

Aplicativos Mobile

Bons aplicativos convertem downloads em recursos financeiros

As entidades sociais devem pensar em aplicativos mobile que possam ser baixados pelos usuários a custos acessíveis. O importante não é o preço que se cobra pelo download ou o fato de disponibilizar o app gratuitamente. O fato que realmente merece atenção é saber registrar os usuários do aplicativo num banco de dados que servirá como uma importante rede de contatos para a entidade.

Outro ponto que precisa ser destacado é que um aplicativo mobile só se destaca nas lojas virtuais quando ele consegue suprir uma demanda ou uma necessidade específica dos usuários. Para que o aplicativo seja baixado, ele deve facilitar a vida do usuário e precisa estar em evidência nos resultados de buscas da Google Play Store e da App Store. Quando a ferramenta é bem desenvolvida, ela se torna capaz de converter facilmente downloads em dinheiro para as entidades.

A importância da funcionalidade do aplicativo para os usuários

As entidades sociais que adotarem o desenvolvimento de aplicativos mobile em suas ações de comunicação, marketing e captação de recursos devem pensar estrategicamente a fase de planejamento e criação do app para que ele possa ser usual e apresentar boas funcionalidades. Aplicativos que não promovem a interatividade e que não são relevantes para a vida prática dos usuários acabam caindo em desuso e ficam fadados ao fracasso.

Os aplicativos mobile para entidades sociais devem estimular o voluntariado e as doações, e precisam envolver e valorizar seus usuários. O app deve criar uma experiência imersiva e atraente, fornecendo os recursos necessários para reter o público de interesse.

Todo aplicativo mobile deve ter um objetivo bem determinado, comunicação qualificada e valor agregado para resultar em boas taxas de conversão de download e ativação.

Bons exemplos

Os dispositivos móveis têm grande impacto na vida das pessoas. Por isso, as organizações devem utilizar essas ferramentas para compartilhar conteúdo e sensibilizar e educar seu público-alvo sobre o trabalho desenvolvido em benefício da sociedade.

Alguns exemplos de aplicativos bem sucedidos para o terceiro setor e que podem servir como fonte de inspiração para novas ideias são o Check-in for Good, o One Today e o Charity Miles.

Vale lembrar que os termos de uso do sistema Google Android são mais abertos a aplicativos que recebem doações. Já a Apple limita e proíbe a presença de aplicativos mobile desenvolvidos com algumas funcionalidades para a captação direta de recursos para entidades sociais.

Outra informação que precisa ficar clara é que o desenvolvimento de um aplicativo móvel pode exigir investimentos financeiros significativos, fato que, muitas vezes, torna essa ferramenta inviável para pequenas e médias entidades do terceiro setor. Para driblar esse problema e entrar de uma vez por todas no mundo tecnológico, vale a pena buscar ajuda especializada com profissionais voluntários que estejam abertos a trabalhar e criar um app para uma boa causa social!

14 Dias para avaliar o mais moderno software do 3º Setor

x